JESUS CRISTO SACERDOTE NA SUA FESTA INTERNA DA CONGREGAÇÃO DOS OBLATOS DE CRISTO SACERDOTE

Eis que uma Virgem conceberá e dará à luz um Filho que será chamado de Emanuel, Deus conosco – o Sumo e Eterno Sacerdote – segundo a Ordem de Melquisedec...”
INTRODUÇÃO:
         Reverendíssimos e Diletíssimos Senhores Sacerdotes... Prezados Confrades na Consagração Evangélica e, pela graça do Batismo...

         É com imensa satisfação e/ou alegria no coração que atendo ao meu confrade na caminhada Vocacional e Religiosa, o Revmo Pe Durvano Aparecido Dourado Porto – ocs, atual responsável pelo site de nossa  Família Religiosa Oblaciana, de elaborar algumas singelas linhas sobre a Pessoa do Cristo Sacerdote e, sua festa (celebrada neste ano : 14/06/2012).
         É uma festa e/ou solenidade interna (preparada por uma Novena e/ou Tríduo) de nossa Congregação Oblaciana, celebrada na próxima Quinta-feira seguinte à Solenidade de Corpus Christi...Portanto neste singelo artigo, saliento a Pessoa de Cristo como Sacerdote;
         Que a Virgem Santíssima das Vitórias nos alcance de Deus, nosso Pai, Irmão e Consolador, este merecimento, de seguí-Lo mais de perto...

 

QUAL É A IDENTIDADE DO SACERDOTE:
         Neste primeiro ponto da reflexão saibamos que, para compreender o que é sacerdote, é necessário primeiro conhecermos o que é sacrifício. Hoje em dia, a palavra sacrifício é usada em muitos sentidos. Mas, no seu sentido e significado mais estrito e original, é a oferenda de um dom a Deus, feita por determinado grupo e/ou pessoa, por meio de alguém que tenha o direito de representar este mesmo grupo e/ou pessoa. O propósito da oferenda é prestar culto a Deus, ou seja, reconhecer o supremo domínio de Deus sobre nós, seres humanos, agradecendo a todas as suas vicissitudes, insatisfação pelos pecados cometidos e, por fim, pedir os seus dons e/ou benefícios.
         Antes de Cristo Jesus se ter dado a nós, como oferenda perfeita, como vemos na Missa (Sacrifício Eucarístico), nós seres humanos, não tínhamos nada a oferecer a Deus que fosse digno d’Ele. Assim, um sacrifício é uma oração em ação. É oração em ação de um grupo e/ou pessoa; e, aquele que oferece o sacrifício, em nome do grupo e/ou pessoa, como ministro de Deus, é o sacerdote... A nova Lei do Amor tem um sacrifício e um sacerdócio novo... Na Última Ceia Jesus Cristo, instituiu o Santo Sacrifício da Missa, em que o dom oferecido a Deus não mais seria uma simples oferenda simbólica, de dons materiais... Pela primeira vez seria um dom digno de Deus, para sempre; seria o dom do próprio Filho de Deus (um valor infinito para um Deus infinito). Na Santa Missa, sob as aparências do pão e do vinho (como participamos e presenciamos a todos os dias em nossas Missas conventuais), Jesus Cristo renova o oferecimento que, de uma vez para sempre, fez na Cruz, imolando a si Próprio. Foi este poder, o poder de oferecer sacrifícios em nome de Cristo Jesus e no Corpo Místico, a Igreja, que tornou os Apóstolos sacerdotes. A este poder de Transubstanciação, Cristo Jesus acrescentou na noite do Domingo de Páscoa e/ou da Ressurreição, o poder de perdoar os pecados em seu nome; conferiu também aos Apóstolos o poder de evangelizar e o de reger e/ou governar, como Pastores, o Povo de Deus. Tantos anos e/ou séculos se passaram desde a ocasião em que Cristo Jesus elevou os onze Apóstolos ao sacerdócio, na noite da Páscoa, quando se reuniu a eles para celebrá-la... Hoje mais do que nunca, são precisos sacerdotes e mais sacerdotes, fiéis e piedosos para atender as necessidades do nosso Povo de Deus. Cristo Jesus é o Modelo segundo o qual todo o homem se deve formar. Ele é o molde em que os eleitos devem ser lançados antes de serem admitidos a participar do Reino de Deus, principalmente aqueles privilegiados que são chamados a seguir mais de perto o Divino Mestre, os sacerdotes de Cristo Jesus...
         Peçamos neste momento e, para toda a nossa vida, as graças de que necessitamos para nossa conversão de vida, perseverança nos bons propósitos e, de agradecimento às graças já recebidas: o dom da Vida, a Vocação Consagrada e/ou laical engajada... Assim seja.

Cordialmente,
Ir. Jerônymo Gonçalves dos Santos – ocs